Notícia 077:

Etapa estadual Bahia da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) foi realizada no último final de semana

Desde 2013, o ACSO/DCET-I/BahiaRT assumiu a responsabilidade de representar no estado da Bahia a Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR). A OBR é uma das olimpíadas científicas brasileiras apoiadas pelo CNPq que utiliza-se da temática da robótica – tradicionalmente de grande aceitação junto aos jovens – para estimulá-los às carreiras científico-tecnológicas, identificar jovens talentosos e promover debates e atualizações no processo de ensino-aprendizagem brasileiro. A OBR possui duas modalidades que procuram adequar-se tanto ao público que nunca viu robótica (teórica) quanto ao público de escolas que já têm contato com a robótica educacional (prática).


A OBR 2016 conta com apoio de diversas universidades, escolas, governo federal e estadual, sociedades científicas e órgãos de fomento.

A modalidade teórica é aplicada diretamente nas escolas que se inscrevem gratuitamente na OBR pelos professores responsáveis em cada escola, seguindo o modelo de diversas outras olimpíadas científicas.

Já na modalidade prática, em cada estado há uma representante estadual responsável por selecionar uma instituição organizadora a cada ano e garantir a realização da etapa estadual (e regionais quando for caso) seguindo os padrões de qualidade e regras definidas pela organização nacional.


Diversos robôs construídos e programados pelas crianças e jovens competidores disputaram a etapa estadual da OBR 2016.

Na Bahia, o professor Josemar Souza do ACSO é o representante estadual enquanto o professor Marco Simões, coordenador da iniciativa ACSO/BahiaRT, é o presidente da comissão de arbitragem.

OBR Bahia 2016

Neste ano a etapa estadual da modalidade prática aconteceu na Escola Djalma Pessoa - Sesi em Salvador sob a organização do professor Fernando Didier. O evento aconteceu no último sábado (27/08) durante todo o dia.


Árbitros voluntários fazem última reunião antes de iniciar a competição.

Além do Sesi e da Uneb, a organização local contou com o apoio do Instituto Federal da Bahia (IFBA) e do Centro Juvenil de Ciência e Cultura (CJCC) de Salvador.


Presidente da Comissão de Arbitragem reúne-se com competidores antes do início da competição esclarecendo as últimas dúvidas sobre as regras e sua interpretação.

Com a organização 100% realizada por voluntários o evento é gratuito para qualquer estudante dos ensinos fundamental e médio. Este ano competiram na Bahia, 86 equipes: 33 do nível 1(ensino fundamental) e 53 do nível 2(ensino médio ou técnico). As equipes vieram de 9 cidades diferentes do estado da Bahia totalizando 299 estudantes.


Robôs tentam superar desafios de forma autônoma sob olhar atento de árbitros e competidores.

O Desafio

O desafio da modalidade prática da OBR é uma das provas da maior competição de robótica do mundo - a RoboCup - nas suas modalidades destinadas ao ensino fundamental e médio denominada RoboCup Junior. A prova baseia-se no desafio de resgate de vítimas em um cenário de desastre. O robô precisa seguir uma linha preta que representa um caminho conhecido em meio aos escombros do cenário catastrófico para localizar e resgatar vítimas.


Competidores acompanham atentamente o desempenho dos seus robôs.

No caminho, o robô precisa lidar com interrupção da linha que o orienta (gaps), redutores de velocidade que tornam o terreno acidentado, obstáculos que obrigam o robô a desviar passando por fora da linha sem orientação, encruzilhadas que podem levar a caminhos sem saída ou loops, passagens estreitas e rampas de acesso a níveis mais elevados no cenário de desastre.

Se o robô vencer todos estes desafios ainda tem que resgatar com sucesso as vítimas na sala final de resgate. Os robôs devem ser completamente autônomos e não devem ter qualquer intervenção humana durante a prova. Os estudantes constroem e programam previamente seus próprios robôs para tentar vencer o desafio no dia da competição.


Robôs precisam superar muitos obstáculos até chegarem na sala de resgate de vítimas.

A Competição

A etapa estadual baiana neste ano foi dividida em duas fases. Na primeira fase todas as equipes tentavam vencer o desafio por duas vezes (duas rodadas) em arenas de competições diferentes e com nível de dificuldade crescente. Após somar os pontos conquistados nas duas rodadas desta fase, as dezesseis melhores equipes de cada nível classificaram-se para a fase final.


Arenas de competição apresentam desafios com complexidade crescente durante o dia do evento.

A fase final constou de uma única rodada com trajeto mais complexo que as duas anteriores e as equipes com melhor pontuação neste último desafio receberam as medalhas de ouro, prata e bronze conforme sua classificação.


A cada rodada, a ansiedade dos competidores pelos resultados parciais era grande.

A Premiação

Depois de uma dia inteiro de intensas competições, no início da noite de sábado, a Bahia conheceu seus campeões. Além das premiações principais, o evento contempla uma série de premiações extras:

Prêmio Nível 1 Nível 2
Melhor equipe de escola pública Fourbotics
Colégio da Cooperativa Educacional
Kritz
IFBA - Vitória da Conquista
Melhor equipe de escola privada Lovetec
Escola Reitor Miguel Calmon
Bomb Tec
Escola Reitor Miguel Calmon
Melhor Equipe Estreante BEYV Robot
Colégio Nossa Senhora de Fátima
Iron Born
Colégio da Cooperativa Educacional de Caetité
Robustez Robolife
Centro Integrado de Atividade
Eitchan
Escola Djalma Pessoa
Dedicação Resgate Ensino Fundamental I e II
Colégio São Paulo
Paliteam
IFBA - Vitória da Conquista
Elegância Chronos 2016
Escola Comendador Bernardo Martins Catharino
#Autobot
IFBA - Salvador
Inovação Wallon_Lino 1
Centro Educacional Wallon
Unimation
IFBA - Vitória da Conquista
Programação Eletric Team
Colégio Sacramentinas
Legis
Escola Djalma Pessoa

Na premiação principal - para o nível 1 - ficou com a medalha de bronze a equipe Tilt. A medalha de prata foi para a equipe Rocket e a medalha de ouro juntamente com a vaga para a etapa nacional ficou para a equipe CS Robot. As três equipes são do Colégio Nossa Senhora de Fátima de Vitória da Conquista.


Equipe CS Robot de Vitória da Conquista venceu o nível 1 e representará a Bahia na etapa nacional.

No nível 2, o estado da Bahia tem duas vagas no nacional este ano. Qualifcaram-se os medalhistas de ouro e prata. Com a medalha de bronze, ficou a equipe Dinasty da Escola Djalma Pessoa. A equipe medalhista de prata dona de uma das vagas na etapa nacional foi Triforce do IFBA - Jequié. E a grande campeã medalhista de ouro dona da outra vaga na etapa nacional foi Asimov do Colégio Nossa Senhora de Fátima de Vitória da Conquista.


Equipe Triforce de Jequié conquistou a prata no nível 2 e representará a Bahia na etapa nacional.

As três equipes que conquistaram vagas na etapa nacional representarão o estado da Bahia durante a Competição Latinoamericana de Robótica - LARC 2016 que acontecerá em Recife-PE de 8 a 12 de outubro de 2016. As melhores equipes na etapa nacional estarão qualificadas para representar o Brasil na copa do mundo de robótica RoboCup que acontecerá em Nagoya no Japão em 2017. Encerrada a cerimônia de premiação, o ACSO/BahiaRT conclui mais um ano de ação extensionista promovendo a difusão do conhecimento em robótica visando a atração de jovens e crianças paras as carreiras científicas e tecnológicas.


Equipe Asimov de Vitória da Conquista venceu o nível 2 e representará a Bahia na etapa nacional.

O álbum de fotos completo do evento pode ser visualizado na página do BahiaRT no Facebook. ACSO/BahiaRT é uma iniciativa científica do DCET-I/Uneb.